Formação sobre Paramentos e objetos litúrgicos.




Esta formação trata de uma visão geral dos objetos ou alfaias litúrgicos: Paramentos, livros, vasos sagrados, alfaias, insígnias Episcopais e demais objetos litúrgicos.

PARAMENTOS
Paramentos sacerdotais
Amito

Pequeno tecido branco com o qual o sacerdote cobre o pescoço e os ombros. Representa a fortaleza. Simboliza o "capacete da salvação" contra os maus pensamentos e recorda o véu com que vendaram a sagrada face.

Alva

Túnica branca que o padre coloca sobre a batina. Representa a pureza da alma. Simboliza a "couraça da justiça" e recorda o vestido branco "dos loucos" com o qual escarneceram de nosso senhor.

Cíngulo

É um cordão usado para ajustar a alva à cintura. Representa a castidade, e recorda as cordas com que o amarraram.

Paramentos sacerdotais

Manípulo

É uma espécie de faixa que o padre usa no braço esquerdo. Representa a contrição e lembra a corda que atou as mãos do senhor. Está em desuso.

Estola

É uma longa faixa de pano que o sacerdote coloca sobre os ombros para a missa e para os sacramentos. Representa as três virtudes teologais e também simboliza o poder sacerdotal.

Casula

É o paramento que o padre põe sobre a alva e a estola para a missa. Representa a caridade, simboliza o jugo do senhor e lembra a cruz que nosso senhor foi obrigado a carregar para nossa salvação.

Demais indumentárias 
Dalmática

É o paramento próprio do diácono. É uma túnica comprida com mangas longas e largas, adornadas de duas bandes de cores verticais na parte da frente e de trás.

Pluvial ou capa de asperges

É uma veste sacerdotal, é um manto aberto com capuz, para se proteger contra o frio e a chuva. Dese o século XI o capuz é apenas um ornamento.

Véu umeral 

O véu umeral, ou véu de ombros, não é na prática um paramento. É usado pelo clérigo ao redor dos ombros, para tocar na custódia com o santíssimo sacramento e das a benção.

Batina

A batina é a veste civil do clérigo (padre, bispo, sacerdote, diácono e mesmo seminaristas), também é a veste do acólito  (homem) na liturgia.

Sobrepeliz

A sobrepeliz é uma túnica talar, comprida de uso clerical, com mangas longas usada sobre a batina.

Barrete 

É uma espécie de chapéu que os clérigos usam em certas circunstância, simboliza a autoridade sacerdotal. O barrete não é um paramento litúrgico, mas secular, e está majoritariamente em desuso.

Seminaristas da administração apostólica de são João Maria Vianney, trajados de batina e sobrepeliz, tendo o barrete em suas mãos

LIVROS LITÚRGICOS

Missal Romano

Livro que contém as orações própria para a missa e assinala os ritos que se devem seguir para celebrar. Este livro é usado pelo sacerdote que preside e também pelos concelebrantes na oração eucarística (a grande oração de ação de graças da eucaristia). Primeiro, coloca-se próximo da presidência e, depois, no altar;

Lecionário 

Livro que contém as leituras proferidas nas missas durante o ano litúrgico, dividem-se:
1. Ano A, B e C  → contendo as leituras dos domingos e festas de acordo com o ano litúrgico.
2. Ferial ou semanal → contendo as leituras das semanas, classificada em anos pares e ímpares, sendo o evangelho sempre o mesmo.
3. santoral → Para as festas dos santos e para a administração dos sacramentos.

Evangeliário 

Contém os evangelhos para os domingos e festas do ano litúrgico, ou seja, contém trechos do evangelho de S. Matheus, S. João, S. Lucas e S. Marcos;

Liturgia das horas

Contém as orações públicas da igreja, chamada liturgia das horas, paras as diversas horas do dia, a fim de alcançar a santificação do cristão e a glorificação de Deus. A edição é normalmente dividida quatro volumes.

Cerimonial do Bispo

Contém as rubricas e indicações para a condução das cerimônias realizadas por um bispo. Algumas dessas rubricas, apesar de serem indicadas para bispo, podem também ser utilizadas para clarificar a ambiguidade em outros textos litúrgicos.


Pontifical Romano

Contém as cerimônias episcopais. No Brasil foi publicado em vários livros, que são ordenados conforme apresentação: Rito de confirmação, Rito de ordenação, Rito da consagração das virgens, Benção dos óleos e o Ritual da dedicação da igreja e altar;

Ritual Romano

Compreende os seguintes ritos e celebrações: Rito para batismo das crianças, Rito da iniciação cristã de adultos, Rito da penitência, a sagrada comunhão e o culto do mistério eucarístico fora da missa, Rito do matrimônio, Rito da unção dos enfermos, Rito da profissão religiosa, Rito de exéquias.

Missal Romano

ALFAIAS 

Alfaias são pequenos panos usados para a liturgia. São eles:

Corporal 

É o pano sagrado sobre o qual o sacerdote deposita a hóstia e o cálice na missa. Simboliza o santo Sudário.



Sanguíneo


É uma peça de linho que o padre usa depois da comunhão para purificar o cálice, a patena, os lábios e os dedos. Representa os panos sepulcrais de nosso senhor.






Pala

É um cartão quadrado, revestido de pano, que o padre usa para cobrir o cálice na missa. Simboliza a pedra sobre o qual nosso senhor repousou a cabeça no sepulcro.




Manustérgio 

O manustérgio, na prática, não é uma alfaia, mas um pano litúrgico. É uma pequena toalha que o padre utiliza para enxugar a mão após o lavabo.

Bolsa do corporal 

Está em desuso do Rito moderno. É uma bolsa feita com dois cartões, usada para guardar o corporal.

Véu do cálice 

Está em desuso no Rito moderno. É um pano que o padre usa para cobrir cálice. Nas partes da missa em que não é usado.

Bolsa do corporal e véu do cálice 

Conopeu 

É o véu que se coloca na frente do sacrário para indicar a presença da hóstia consagrada.

VASOS SAGRADOS

Os vasos sagrados são vasos de metal usados na liturgia. São os seguintes:

Cálice

É o mais sagrado e mais antigo dos vasos. É o usado para consagração do vinho que se torna o sangue de Cristo. Deve ser de metal, ou material idôneo, e possuir ao menos a parte de dentro dourada. Seu significado reside na sabedoria escondida do Nosso Senhor. A abertura do cálice representa a chaga aberta no Divino Coração de Nosso Senhor, da qual sai o sangue que se bebe para a vida eterna.

Patena

A patena é um pratinho redondo em forma de disco sobre o qual o sacerdote deposita a hóstia. Ela representa a cruz no calvário, no qual repousou o corpo de nosso senhor em sua paixão.

Âmbula

A âmbula é um vaso obrigatoriamente de metal não quebrável que contém as hóstias consagradas para serem distribuídas para os fiéis+

Teca

É um pequeno estojo usado para se depositar as hóstias que serão levadas aos doentes.

OUTROS OBJETOS LITÚRGICOS:

Credência

Mesinha que fica na lateral do presbitério, utilizada para colocar os objetos litúrgicos.

Galhetas

São pequenos recipientes onde se coloca água e vinho, destinados ao santo sacrifício da Missa.

Incenso 

É uma resina que quando queimada solta um aroma agradável destilada em lágrimas por uma árvore  das terebintáceas. Seu uso na Missas constitui um ato de adoração a Deus, diretamente (no santíssimo sacramento) indiretamente ( no altar, na cruz, no lecionário, etc.). Um ato de veneração a imagens e relíquias de santo. De reverência as pessoas que são incensadas. De purificação e santificação e simboliza, sobretudo, a oração que sobe à presença de Deus, conforme o salmo "Suba até vós, senhor, minha oração, como incenso à vossa presença"

Naveta

É um pequeno vaso alongado, em forma de nave, na qual se guarda o incenso.

Lavabo 

É um conjunto de bacia e jarro usado para lavar as mãos do sacerdote durante a missa.

Carrilhão/Sineta

O carrilhão é um conjunto de sinos ligados entre si usados durante a santa missa para chamar a atenção dos fiéis e anunciar os momentos importantes da missa, como a consagração. Sineta normalmente é um sino pequeno usado na mesma função.


Castiçal 


Suporte para velas.

Círio Pascal

É uma grande vela de cera, simbolo do cristo ressuscitado, onde se pode ler ALFA e ÔMEGA (Cristo: começo e fim) e o ano em curso. Tem grãos de incenso que representam as cincos chagas de cristo. Usado na vigília Pascal, durante o tempo Pascal, e durante o ano nos batizados. Simboliza o Cristo, Luz do mungo.

Bursa

Bolsa quadrangular onde se coloca a teca para levar aos doentes. 

Cruz de altar 

Uma cruz que fica sobre o altar ou próximo a ele, trazendo sempre a memória o sacrifício, normalmente voltada para o celebrante. 

Cruz Processional 

Cruz com um cabo maior usado nas procissões. 

Estante do missal ou atril 

Serve para acomodar o missal, é colocado sobre o altar para que o sacerdote acompanha os ritos das celebrações litúrgicas. 

Genuflexório 

Móvel que se permite ajoelhar em cima. 

Objetos pontificais 

Báculo 

É uma espécie de cajado com um arco no topo, utilizado pelos bispos, como sinal de pastoreio. O báculo do papa é em forma de cruz e é chamado de Férula. 

Mitra

É uma espécie de chapéu, consistindo de duas peças rígidas, de formato aproximadamente pentagonal, terminadas em pontas. É usada por bispos. Simboliza o capacete de defesa que deve tornar o prelado terrível aos adversários da verdade. Dela normalmente saem duas tiras, chamadas ínfulas.

Anel episcopal 

Anel símbolo de dignidade episcopal. Utilizada na mão direita. 

Cruz peitoral 

Crucifixo dos bispos. 

Quiroteca 

Espécie de luva usada pelos bispos. Está em desuso.

D. Athanasius Schneider, portando as insígnias episcopais: Mitra, Báculo, Cruz peitoral e anel episcopal.





Postagens mais visitadas